Sobral, 1919. Einstein estava certo.

Em 29 de Maio de 1919, dois grupos expedicionários estavam prontos para uma missão que mudaria a história da ciência: Medir o desvio da luz, pelo sol, em um eclipse solar. Tal medida poderia provar ou refutar a teoria da relatividade geral, do físico Albert Einstein, até então bastante especulativa. Um dos grupos foi enviado para a cidade de Sobral, no Ceará, onde conseguiu realizar as fotografias com sucesso, devido ao bom tempo. A outra expedição foi para a ilha de Príncipe, no continente Africano, onde encontrou um tempo nublado, o que dificultou a missão. Após cuidadosos estudos das fotografias, o resultado era claro. A teoria da gravitação de Einstein estava correta, modificando a gravitação Newtoniana. 

NY Times, 10/11/1919

Na imagem ao lado, podemos ver a reportagem do jornal NY Times, de 10 de novembro de 1919. Diz ela: A teoria de Einstein triunfa! Estrelas não estão onde pareciam estar, ou foram calculadas para estar, porém ninguém deve se preocupar. 

Apesar de Einstein já ser um físico ilustre na época, foi a partir desta medição que ele se tornou, quase que instantaneamente, um fenômeno mundial. Sua visão da gravitação modificou ainda mais aquilo que entendíamos por espaço e tempo. A partir daquele momento, o espaço não seria mais o mesmo aprendido na escola, definido por uma geometria Euclidiana, mas sim curvo, no que é hoje conhecido como uma geometria semi-Riemanniana.

Arthur Stanley Eddington
George Grantham Bain Collection. PD-US.

Um dos líderes da segunda expedição, até a ilha de Príncipe, foi o famoso astrofísico britânico Arthur Eddington, um dos poucos astrofísicos a acreditar na teoria gravitacional de Einstein, e um de seus primeiros especialistas. Uma história icônica diz que um cientista, uma vez, disse para Eddington que ele seria uma das três únicas pessoas a entender a teoria de Einstein. Após perceber uma leve hesitação em Eddington, o cientista acreditou que ele estava sendo modesto, quando na verdade ele estava, segundo suas próprias palavras, era pensando quem seria a tal terceira pessoa.


Créditos da imagem principal: Wikipedia.

Author: João Paulo Morais

Bacharel em Astronomia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre e doutor em física pela Universidade Federal da Paraíba, com estágio de doutoramento na Jacobs University, Bremen.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *