Nova espécie de besouro é batizada em homenagem à ativista Greta Thunberg

Nelloptodes gretae é uma espécie de besouro da família Ptiliidae, recém (re)descoberto pelo pesquisador Michael Darby, do museu de história natural de Londres. Essa pode parecer uma descoberta trivial, afinal, muitas espécies de animais são descobertas anualmente, porém algo chama a atenção neste caso. Essa espécie em particular foi nomeada em homenagem à ativista Greta Thunberg, conhecida por sua luta em prol do meio-ambiente e por uma solução mais efetiva para o problema do aquecimento global.

O “batismo” foi anunciado na data de ontem pelo museu. Na publicação oficial da prestigiada instituição, Michael comentou um pouco tanto sobre a descoberta da nova espécie, quanto sobre a escolha do nome. Essa família de besouros, o pesquisador explicou, é tão pequena que as vezes pode ser comida por animais unicelulares.

“Eu suspeito que essa possa ser a primeira vez que uma espécie tenha sido batizada por causa da Greta. Eu, ao menos, nunca ouvi falar de nenhum outro besouro que tenha seu nome inspirado nela.”, brincou Michael. A nova espécie foi originalmente coletada no Quênia, entre os anos de 1964 e 1965, e estava guardada na coleção do museu. Essa espécie, em particular, mede aproximadamente 0,78 mm.

“Eu gostaria de enfatizar que não dei o nome do besouro de Greta pelo fato dele ser pequeno. Essa é apenas a família de animais com a qual eu trabalho.” Disse Michael. De fato, Greta não está nada mal acompanhada. Michael já nomeou outras espécies de besouro em homenagem à outras personalidades famosas, como Sir David Attenborough, famoso naturalista britânico.

Mas, como a própria Greta costuma dizer, “Muitas pessoas dizem que a Suécia é apenas um pequeno país e não importa muito o que façamos. Mas eu aprendi que nunca somos pequenos o suficiente para não conseguirmos fazer a diferença.”

“Eu sou um grande fã da Greta”, disse Michael. “Ela é uma grande personalidade na luta para salvar nosso planeta e acho que ela está fazendo um trabalho incrível, então achei que era uma ótima oportunidade para reconhecer isso.”

Por João Paulo Morais, baseado na nota de divulgação do Museu de História Nacional de Londres. A nota oficial pode ser encontrada aqui.

Author: João Paulo Morais

Bacharel em Astronomia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre e doutor em física pela Universidade Federal da Paraíba, com estágio de doutoramento na Jacobs University, Bremen.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *